16 de junho de 2024

Oposição e ruralistas comemoram Marco Temporal, e governistas apostam no Senado e STF

Facebook
Twitter
WhatsApp

Aliados do governo, entre lamentos, agora apostam no Senado e no Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter o fracasso do governo

A aprovação do Projeto de Lei do Marco Temporal impôs uma derrota ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com o apoio da base na Câmara, e levou a oposição a comemorar o revés sofrido pelo petista. Aliados do governo, entre lamentos, agora apostam no Senado e no Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter o fracasso do governo.

A proposta que delimita até 1988, ano de promulgação da Constituição, a demarcação de terras indígenas recebeu o aval de 283 deputados, dos quais 98 de partidos com espaço na Esplanada dos Ministérios. Foram 155 votos contrários e uma abstenção.

O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), recebeu nesta terça-feira, 30, a ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara. Ao lado da deputada Célia Xakriabá (PSOL-MG), Guajajara tentou animar a apoiadores de Lula: “a proposta agora vai para o Senado, e vamos aguardar ainda a votação do marco temporal no STF”, disse ela. Já Célia Xakriabá tentou minimizar a votação na Câmara: “não nos sentimos derrotados”

Um recado, porém, chegou à Corte com uma semana de antecedência. Antes da votação, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), enviou sinais para o Judiciário: ‘o fato é que o Supremo vai julgar no dia 7 (de Junho), e este Congresso precisa demonstrar que está tratando a matéria com responsabilidade”, afirmou. Assim que o julgamento foi posto em pauta, a Câmara, com apoio da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e aliados de Jair Bolsonaro (PL), correu para se antecipar aos ministros.

O presidente da FPA, deputado Pedro Lupion (PP-PR), comemorou: “o projeto vai deixar claras as condicionantes da demarcação das terras indígenas, deixar clara a questão do marco temporal, fazer com que o direito de propriedade e a segurança jurídica imperem no nosso País”, disse. No Twitter, ele publicou o momento em que Lira anuncia o resultado.

Entidades do agronegócio cobram prudência do Supremo. “Essa votação fez justiça tanto para indígenas quanto para a população. Esperamos que o STF enxergue que está sendo feita justiça social”, disse o vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Lucas Beber. Para ele, o marco temporal respeita a Constituição, porque não proíbe novas demarcações, mas somente estabelece um novo critério.

Já Paulo Sérgio Aguiar, vice-presidente da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), espera que os ministros entendam a mensagem dada pelo Congresso. “É uma sinalização da visão do Parlamento, que representa a população como um todo. Acredito que isso vá ajudar na tomada de decisão do STF”, disse Aguiar.

Ex-ministra de Agricultura de Bolsonaro, a senadora Tereza Cristina (PP-MS) disse que o marco temporal proporciona “paz no campo”. “É importante que o Congresso cumpra seu papel de legislar sobre temas relevantes, que tragam justiça e paz na terra, tanto para indígenas quanto para produtores rurais”, afirmou, em rede social.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) prevê novas articulações no Senado. “Nossa resistência e estratégia contra o PL 490 segue no Senado. A defesa da Constituição será feita pelo STF, que precisa julgar contra o marco temporal”, afirmou a entidade. Se o Supremo decidir pela total inconstitucionalidade do tema, a votação da Câmara pode ser anulada.

Compartilhe

Picture of Alerta Notícia

Alerta Notícia

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail

Whatsapp – 69 992491509

E-mail –[email protected]

Comentários

Feito com muito 💜 por go7.com.br