22 de junho de 2024

Silêncio sobre o 31/3 expõe feridas do 8/1

Facebook
Twitter
WhatsApp

O desconforto na esquerda e na academia com a decisão de Lula de não associar seu governo a atos alusivos aos 60 anos do golpe militar de 1964 é palpável. Embora no entorno do presidente se admita que essa divergência pode causar alguma decepção no eleitorado histórico e mais fiel a ele, a orientação será mantida e é defendida pelos aliados mais próximos. O que mais se ouve de quem participou de alguma forma da deliberação de que não haveria manifestações “dos dois lados” — nem das pastas ligadas aos diretos humanos nem das Forças Armadas — é: “Para quê?”.

Não se trata de minimizar a gravidade de um golpe que mergulhou o país numa ditadura de 21 anos capaz de transformar tortura, desaparecimentos e execuções em porões em política de Estado. Ninguém em sã consciência ou que debata com honestidade intelectual poderia, a partir de uma decisão de governo, achar que Lula ou o PT tergiversem quanto ao repúdio à ditadura militar.

É justamente o muito recente flerte do Brasil com um repeteco canhestro do golpismo de 60 anos atrás que explica e, a meu ver, justifica a decisão de não fazer na efeméride nenhum tipo de evento oficial. Caso houvesse solenidades referentes à data reunindo Lula e seus ministros, como seria possível evitar que, entre os militares, prevalecessem pressões pela defesa do que até hoje muitos fardados insistem em chamar de “revolução”?

Se há algo que se quer evitar neste momento, é mais convulsão na caserna. O aprofundamento das investigações a respeito do 8 de Janeiro e dos meses que transcorreram pouco antes e depois das eleições de 2022 mostra que o grau de contaminação das Forças Armadas pelo golpismo bolsonarista atingiu mais fortemente o alto escalão do oficialato do que se tinha a percepção enquanto o governo Bolsonaro ainda vigia.

Em português claro: bastaria que o comandante do Exército, general Freire Gomes, ou o da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Baptista Jr., tivessem aderido aos muitos planos que lhes foram insistentemente apresentados pelo presidente da República para que a manutenção da democracia brasileira se tornasse no mínimo duvidosa.

Esse grau de erosão do compromisso democrático entre os militares não foi atingido da noite para o dia, nem por geração espontânea. Tratou-se de projeto levado a cabo por Bolsonaro durante muito tempo, conquistando primeiro os generais da reserva e, a partir daí, se espraiando para as demais Forças e diferentes graus de hierarquia.

Não se faz o desmame das ideias golpistas da noite para o dia, e dar munição àqueles que gostam de instilar nos quartéis o sentimento antipetista e a teoria de que vem aí uma perseguição aos fardados não parece uma boa ideia. Como diz um ministro, é preciso fazer uma coisa por vez, e a prioridade incontornável é assistir à punição judicial e administrativa de todos aqueles que conspiraram contra as instituições e a democracia com o ex-presidente.

A apatia e a incredulidade que se abateram sobre as universidades, os historiadores, os partidos e os movimentos sociais diante de algo fácil de compreender à luz dos acontecimentos mostra uma dependência excessiva desses segmentos da condução estatal, algo surpreendente quando se pensa que comandaram a resistência nos anos em que a cultura, a academia e os direitos humanos ficaram à mercê dos ataques bolsonaristas.

Cabe a esses setores, bem como aos partidos de esquerda, lembrar os 60 anos do golpe e rememorar os horrores de um arbítrio que não teve nada de brando e que as novas gerações, à medida que o tempo passa, deixam de perceber em toda a sua gravidade.

Quanto ao governo, se conseguir devolver as Forças Armadas ao cumprimento estrito de seu dever constitucional, será uma grande contribuição para que o flagelo da ditadura com que Bolsonaro, para dizer o mínimo, flertou não se repita. Nunca mais.

POR: VERA MAGALHÃES

Compartilhe

Picture of Alerta Notícia

Alerta Notícia

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail

Whatsapp – 69 992491509

E-mail –[email protected]

Comentários

Feito com muito 💜 por go7.com.br